terça-feira, 19 de agosto de 2008

Europa de muitas histórias e endereços

“Trecho da ponte do belíssimo circuito de Valência”.


Nürburgring, Jerez de La Frontera, Brands Hatch, Donington Park e, no próximo domingo, Valência. As ruas da cidade espanhola situada na costa do mar Mediterrâneo serão o quinto endereço a abrigar o Grande Prêmio da Europa. Uma etapa pouco disputada nos 58 anos de história da Fórmula 1, mas responsável por momentos marcantes da categoria.

Um dos episódios inesquecíveis foi a decisão do título de 1997, favorável a Jacques Villeneuve após a manobra anti-desportiva e fracassada de Michael Schumacher, que jogou seu carro para cima do canadense numa clara tentativa de tirá-lo da prova de Jerez.

Ao todo, foram realizadas 17 edições da corrida da Europa, nomenclatura adotada para conceder o privilégio a um determinado país de receber dois GPs durante uma mesma temporada.

A primeira nação sortuda foi a inglesa, que sediou em 1983 o GP da Europa no circuito de Brands Hatch. O vencedor foi Nelson Piquet, campeão daquele ano com a equipe Brabham.

No ano seguinte, a etapa passou para Nürburgring, na Alemanha, retornando para a pista britânica no certame posterior. A prova deixaria de ser realizada por sete anos para voltar somente em 1993 e num novo palco, Donington Park, na Inglaterra.

Ayrton Senna, com a volta mágica debaixo de chuva na primeira volta, encarregou-se de fazer daquela corrida uma outra recordação inesquecível do Grande Prêmio europeu, que mudou novamente de endereço em 1994, seguindo para Jerez de La Frontera, na Espanha.

De 1999 até o ano passado, a prova aconteceu ininterruptamente no traçado de Nürburgring, tendo Fernando Alonso como último vencedor, após uma briga acirrada com Felipe Massa, com direito a discussão exaltada antes do pódio. Outro momento marcante.

Para muitos pilotos, o GP da Europa simbolizou a primeira conquista na F-1. Nigel Mansell e Mika Hakkinen estrearam no degrau mais alto do pódio nesta etapa. O leão em 1985 com a Williams e o finlandês em 1997, de McLaren.

Kimi Raikkonen e Nick Heidfeld faturaram a primeira pole-position por lá. O “Homem de Gelo” em 2003 com a McLaren e o alemão em 2005, de Williams. Entre as equipes, a extinta Stewart fez história ao vencer sua única prova justamente na corrida européia.

Da lista de vencedores do Grande Prêmio da Europa, chama a atenção o fato de quase todos terem conquistado o título mundial. Dos 11 ganhadores, apenas três não levaram o caneco: Johnny Herbert, Rubens Barrichello e Ralf Schumacher.

Além do brasileiro da Honda, apenas Fernando Alonso segue em atividade dentre os ganhadores desta etapa. Kimi Raikkonen bateu na trave em 2005, abandonando na última volta após a quebra da suspensão dianteira de seu McLaren. Outra cena histórica.

Caberá a Valência, a partir de domingo, registrar episódios graciosos para o GP da Europa. O circuito de rua impressiona pela beleza e características técnicas, aparentemente desafiadoras para os competidores.

A pista tem 5.473 metros e um total de 25 curvas, 14 para a direita e 11 para a esquerda. Ao contrário de Mônaco, possui uma largura satisfatória para permitir ultrapassagens. Tomara que na prática elas realmente sejam realizadas.

Pela proximidade dos muros, é bom ficarmos preparados para as prováveis intervenções do Safety-Car, que podem trazer surpresas para o resultado final e contribuir para novos momentos marcantes do GP da Europa.

Um comentário:

Sandro Varela disse...

Mas esse rapaz é craque mesmo!!!!!
Te=d bem com vc Leandro???
Posso te pedir um favor?
Me chama no msn? Preciso trocar uma idéia com vc: sanluvarela@hotmail.com

abs